Photo by Brendan Church on Unsplash

Você consegue responder a pergunta: o que são carreiras múltiplas? (você pode substituir por portfólio de carreiras, se preferir).

Um dos exemplos mais conhecidos de profissional de carreiras é Leonardo da Vinci. A história registra suas atividades profissionais como: cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor, arquiteto, botânico, poeta e músico. Escrevi um post no meu perfil no Instagram contando um pouco mais sobre os feitos do gênio do Renascimento. 

Eu defino como um estilo de vida. Mas é muito mais que isso. É um movimento que está ganhando cada vez mais adeptos em todo mundo e os motivos são os mais variados. Aumento da expectativa de vida da população, busca por trabalhos alinhados com valores e propósito de vida, aumento de renda, reconhecimento (e aceitação) que temos gostos e preferências distintas e que não tem problema algum mudar e agregar novas atividades e carreiras ao longo da vida.

O historiador e escritor Roman Krznaric, no livro “Como encontrar o trabalho da sua vida”, defende a ideia que “cada um de nós tem múltiplos ‘eu’.” Ou seja, somos múltiplos ao longo da nossa vida. Nossas prioridades vão se alternando de acordo com a fase que vivemos e, com isso, nossos interesses por assuntos também vão somando à nossa trajetória. Por que, diante de uma vida tão abundante de possibilidades, precisamos nos definir como algo único ao entrar na faculdade aos 17 anos e seguir na mesma carreira até os 60, 70, 80 anos? A vida seria tão monótona e previsível se não tivéssemos oportunidades de escolher e mudar.

“Em vez de buscar diversas carreiras ao mesmo tempo, podemos nos imaginar seguindo três ou quatro atividades muito diferentes em sucessão”.

Roman Krznaric

E precisa ser tudo ao mesmo tempo?

Essa pergunta é recorrente nas minhas redes sociais. A principal dúvida que recebo sobre o tema é se esse perfil de profissional de carreiras múltiplas deve acontecer simultaneamente. NÃO. Como esse movimento ainda está conquistando espaço no dia a dia dos profissionais e das organizações, é mais comum encontrar pessoas que migram de carreira ao longo da vida do que aquelas que desempenham mais de um ao mesmo tempo.

Se você olhar a minha trajetória profissional nos últimos 25 anos, vai encontrar no meu currículo as seguintes atividades: jornalista (profissão), assessora política, assessora de imprensa, coordenadora de comunicação, repórter de jornal, produtora de rádio, empreendedora, consultora de marketing, consultora de negócios e, atualmente, consultora de reposicionamento de carreiras.

No meu caso, as carreiras têm correlação, pois o movimento que fiz foi dentro da área de comunicação. Mas não precisa ser sempre assim. Tenho uma série de entrevista no meu site onde compartilho histórias inspiradoras de profissionais que foram ajustando suas carreiras de acordo com o movimento da vida. Sugiro que conheça os entrevistados, pois certamente irá encontrar motivos para fazer a mudança que você deseja há tempos.

O que eu faço com tudo o que já vivi? Jogo fora? Começo do zero?

Essa também é outra preocupação das pessoas que vivem no dilema entre aceitar seus diferentes gostos e interesses e usá-los em uma nova carreira. E, mais uma vez, a minha resposta é NÃO.

Não jogamos nada fora. “…as habilidades adquiridas na sua carreira anterior podem ser aplicadas com sucesso em outras situações…“, como tão bem colocou Roman Krznaric na sua obra livro. Nunca começamos uma nova carreira ‘do zero’. Carregamos uma bagagem de vivências, experiências, aprendizados, habilidades, erros, acertos, conquistas, fracassos. São todos esses elementos que constroem o profissional que somos atualmente e que nos moldará para a carreira que desejamos construir.

Na minha visão, os profissionais que se destacarão no mercado de trabalho serão aqueles conseguirem perceber a importância de valorizar a diversidade de gostos, preferências e interesses ao longo da sua vida. Quem souber utilizar sua trajetória e colocá-la em prática no desenvolvimento da carreira (a atual e as próximas), terá reconhecimento do mercado de trabalho, tornando-se um profissional indispensável.