Na última semana estava reunida com um cliente – era a primeira sessão de atendimento – e fiz a seguinte pergunta: onde você quer que seu negócio esteja daqui 6 meses? E a expressão dele de assustado me deixou sem graça. “Será que fiz alguma pergunta imprópria? O que eu fiz que não deveria?…”.

Foto: Unsplash

Responder a esse questionamento sempre esteve presente na minha vida. Não me recordo de nenhum momento desde que me conheço por gente em que não estabeleci uma meta e fiz o que foi possível para alcança-la. É claro que não tive sucesso em todas elas e faz parte do jogo, tá tudo bem. Mas, sem ter esse norte de onde quero chegar, parece que estou perdida sem rumo em alto-mar.

Se você está aí se perguntando se esse tipo de atitude deixa sua vida engessada, a minha resposta é não. Pelo menos para mim, definir essas metas auxilia nas ações que devo fazer, o caminho que devo trilhar e, especialmente, saber para o quê vou dizer não. Acredito em destino/acaso/sorte. Mas também acredito que tudo isso só chega até nós quando estamos em movimento (e esse tema é assunto para outro texto!).

Mas, voltando ao meu cliente, aquela pergunta ficou reverberando nele ao longo da sessão e, ao final da reunião, ele comentou que aquela questão iria acompanhá-lo durante toda a semana.

Me conta uma coisa: você sabe quer que onde seu negócio ou sua carreira esteja daqui 6 meses? O que você quer ter conquistado até dezembro deste ano? E quais são as conquistas que você quer ter nos próximos dois anos?

Essas são as questões que devem acompanhar empreendedores e profissionais liberais que desejam sucesso, independente de qual seja a definição de sucesso para cada um de nós.