Conheci a Cris De Luca quando trabalhamos na Assessoria de Comunicação na Secretaria Estadual da Educação, entre 2008 e 2010. Eu tinha recém chegado a Porto Alegre e ainda estava conhecendo os jornalistas dos veículos de comunicação e a Cris apresentou vários colegas de profissão. Ela era Assessora de Imprensa, mas ia além dessa função. Era uma verdadeira Relações Públicas.

Além da formação em Jornalismo, a Cris também é formada em Relações Públicas e é mestre em Comunicação pela PUCRS. Hoje ela “está” sócia e head de PR do Gengibre.cc e professora dos cursos de Comunicação da UniRitter.

Em outras palavras, ela é uma inquieta por natureza. “Acho que vivo em transição na verdade”, foi o que ela me respondeu quando questionei sobre as transições de carreira que já fez.

Convide a Cris para compartilhar sua trajetória de vida, pois acredito que é possível ter mais de uma carreira na sua área de formação e agregar novos conhecimentos e habilidades para criar novos caminhos. Confere como foi nossa conversa.

– Qual a sua formação? Jornalista & Relações-públicas (RP). E mestre em Comunicação.

– Quanto tempo você atuou no Jornalismo e RP? Se for considerar o que todo mundo espera de um jornalista, nunca atuei em redação. Mas trabalhei e ainda faço ações de assessoria de imprensa, agora num projeto próprio com a minha sócia, o Gengibre, em paralelo com a docência.

– E por que você decidiu mudar do Jornalismo para Relações-públicas?Nunca me vi como uma jornalista raiz. Talvez a aproximação com a área de gestão de negócios me levou pro lado mais RP. Além disso, sempre fui empreendedora, mas era mais confortável e me sentia bem fazendo isso nas empresas de outras pessoas. Até que fui experimentar uma outra área fora de agência de comunicação, algo mais comercial.

Aceitei esse convite para uma área nova porque, além de poder me desafiar e ter acesso a outros relacionamentos profissionais, eu não estava mais satisfeita com o ambiente da agência na qual estava trabalhando, já estava sendo sacrificante fazer parte da equipe. Vi a oportunidade e me joguei. Não deu muito certo, mas foi o que no final das contas, me levou a aceitar o convite da minha sócia para me juntar ao Gengibre e trabalhar com pequenos negócios.

Além disso, foi somente depois de começar a fazer RP que comecei a ter oportunidades como professora, primeiro em cursos de pós da Unisinos e do SENAC RS. Depois de me formar no início de 2019, surgiu no meio do ano a oportunidade na graduação da UniRitter. Digo isso porque fiz Mestrado (defendido em 2011), somente pensando em poder dar aulas e isso só aconteceu depois de ter mais uma graduação.

Ah, e ainda experimentei um pouco o mundo da Publicidade, quando aceitei um convite em abril do ano passado para ser atendimento + produtora de conteúdo de uma agência de publicidade em Criciúma, minha cidade natal, que durou até o início deste ano.

– E como você se apresenta atualmente? Hoje sou sócia e head de PR do Gengibre.cc e professora dos cursos de Comunicação da UniRitter.

Você fez algum tipo de planejamento para fazer essas transições? Nenhum. Sempre fui deixando a vida levar.

– E quais os principais benefícios que você percebeu ao ter feito a transição? Saber que realmente faço diferença na vida das pessoas com as quais trabalho, ou por meio dos seus negócios, ou por abrir os olhos e a mente para outras possibilidades do mercado da comunicação, além da flexibilidade de horário e de pode escolher com quem trabalhar.

– Mas tem também o lado dos desafios e das dificuldades… Saber que muitas pessoas dedicam seu tempo e colocam suas expectativas e sonhos no teu trabalho traz muita responsabilidade e o desafio maior é sempre tentar entregar o melhor para o momento. Principalmente na atual conjuntura de isolamento social. Aprender a escutar e exercitar a empatia em momentos em que a gente está precisando tanto também é desafiador. Na prática, principalmente, no Gengibre é organizar a parte de prospecção e comercial junto com pensar estratégias e colocar a mão na massa para os clientes. Tem momentos que chamamos profissionais para fazer o operacional para podermos focar no resto e dar conta de tudo (ou no que for possível).

– E para quem está pensando em fazer alguma transição ou desenhar uma nova carreira, você tem alguma dica ou conselho para compartilhar? Foque em algo que faça sentido pra ti, que faça realmente arrepiar e te encha de orgulho de estar fazendo. Nem sempre vai acontecer na hora que a gente espera e quer, mas o importante é não desistir e insistir para dar certo. Nem tudo depende da gente, mas não dá para ficar esperando sentado que as coisas deem certo por si só.

– Se arrepende? Nem um pouco.

– Se você precisasse mudar, faria tudo de novo? Sem dúvida. Quanto mais me conheço e me entendo, mais descubro que de tempos em tempos eu preciso algo. Me manter em movimento, é o que faz sentido pra mim.

Onde você pode encontrar a Cris De Luca
E-mail: cris@gengibre.cc
Instagram: @bycrisdeluca
LinkedIn: linkedin.com/in/bycrisdeluca/

Clique aqui para ler todas as entrevistas sobre transição de carreiras e carreiras múltiplas.