“Qual é a carreira certa para mim?”

 

Quantas vezes você já se fez essa pergunta? Eu mesma já me fiz muitas vezes ao longo da minha vida. Já quis ser professora; historiadora; relações públicas; empresária de moda; jornalista. Optei pela última e ainda, antes de terminar a faculdade, já atuava em redações de jornais e assessorias de imprensa. Porém, uma vez por ano, pelo menos, esse ponto de interrogação surge e me questiono se fiz a escolha certa (talvez agora, enquanto escrevo este texto, seja um desses momentos de dúvida).

 

Meu palpite é que muitos de vocês que estão lendo este texto se sentiram da mesma forma, com uma mudança aqui e uma tentativa ali. Então, como é que você sabe que está na carreira certa?

 

Foto de Clara Zarth

 

As pessoas ao seu redor podem auxiliar dando pistas sobre as áreas que suas habilidades são destacadas. Você pode ter preferências para algumas atividades que faz seus olhos brilharem. Mas, junto com tudo isso, há quatro pontos que devem ser levados em consideração no momento de decidir sobre qual será sua próxima carreira.

 

Depois de saber as respostas para essas quatro perguntas por si mesmo, você pode realmente começar a definir (ou redefinir) como será sua carreira.

 

(dica extra da Pri: dê a si mesmo tempo para realmente refletir sobre essas questões. Faça listas, peça a opinião de seus amigos, familiares e colegas e pesquise oportunidades para abrir sua mente para o seu potencial).

 

1 – PROPÓSITO

 

  • Qual é a razão de você querer fazer (insira aqui a carreira)?
  • Quais são os sentimentos que você tem ao se imaginar exercendo essa carreira?

 

(Não acredito na romantização do “propósito ou missão de vida”. Para mim, temos habilidades, competências, expertises, preferências que nos levam a caminhos que queremos e que podem ser ajustados ao longo do processo. Hoje, meu propósito é apoiar profissionais na criação de desenvolvimento de novas carreiras – pode ser que mude daqui cinco anos).


2 – PAIXÃO

 

  • O que te excita?
  • O que faz seu coração bater mais rápido?
  • Pelo que você está disposto a se sacrificar?

 

(Para mim, a paixão contribui para olhar além do “problema”. Trabalhar com profissionais que estão com dúvidas sobre suas carreiras profissionais e mostrar novos caminhos, é uma daquelas frases clichês: “não tem preço”).


3 – HABILIDADES

 

  • Quais habilidades e experiências você tem ou deseja ter?
  • O que você pode oferecer para as pessoas e ao mundo ao seu redor?

 

(Sempre gostei de ouvir e contar histórias. A faculdade de Jornalismo amplificou esse interesse e desenvolveu técnicas para aperfeiçoar essas habilidades. Mesmo não atuando diretamente na área, utilizo esses aprendizados para entender o que está escondido nos profissionais que buscam novas carreiras, mas ainda não tem todas as respostas).


4 – MOTIVAÇÃO

 

  • O que faz você continuar, mesmo em tempos difíceis?
  • O que mantém “acessa sua chama”?

 

(Minha motivação é assumir desafios, resolver novos problemas, aprender e experimentar outros caminhos).