Arquivo pessoal

Você já pensou em trabalhar em outra atividade profissional fora da sua área de graduação? Por exemplo: você é formado(a) em Direito mas adoraria trabalhar com Comunicação. Ou, você fez faculdade de Administração mas gosta mesmo de trabalhar com animais. Esse tipo de pensamento é corriqueiro para a maioria das pessoas.

A Pesquisa Retrabalho – publicada pela Tera e Scoop & Co, em fevereiro deste ano – aponta que 63% dos entrevistados já mudou de carreira, e 48% pretende mudar de carreira nos próximos 12 meses.

Já foi o tempo em que as carreiras eram lineares e nós iríamos atuar na mesma empresa ou na mesma área de atuação durante toda a nossa vida profissional. Há estudos que indicam que podemos ter até SEIS carreiras ao longo da nossa vida. E elas podem ocorrer de maneira simultânea ou não. Tudo vai depender da forma como cada um encara o trabalho em sua vida.

Para entender um pouco mais sobre o movimento de carreiras múltiplas ou transição de carreiras, fiz uma série de entrevistas com profissionais que já fizeram alguma mudança ou estão em vias de realizar.

Abro a série de entrevistas com a Anelise Zanoni, 40 anos, jornalista, professora universitária, empresária (ela é proprietária de uma agência de comunicação, focada em turismo, gastronomia e estilo de vida), influenciadora digital, mãe e dona de casa nas horas vagas.

– Quanto tempo você atuou na área da comunicação? Atuo há 20 anos como jornalista e atuei por 10 anos como professora de cursos de Jornalismo e Relações Públicas.

– E por que você decidiu mudar de carreira? Continuo atuando como jornalista, mas deixei de ser professora universitária em janeiro de 2019. Em 2016, quando engravidei, estava iniciando um projeto paralelo chamado Travelterapia. A ideia era ter um blog com dicas de viagem e histórias inspiracionais, bem focado em narrativas de viagem. Na época eu ainda lecionava em uma universidade e, naquele período, eles começaram a reorganizar o quadro de professores e alguns profissionais estavam sendo desligados do corpo docente. Quando voltei da licença maternidade, aproveitei o horário oposto a minha carga horário na universidade e comecei a investir forte na área do turismo, que era meu projeto inicial. Fui criando projetos, pesquisando o mercado e comecei a mover uma grande rede de network. Em janeiro de 2019 fui demitida da universidade e tomei a decisão que faltava para dar início à carreira solo de empreendedora na área da comunicação. 

Observação: ela não esperou um acontecimento negativo (a demissão) para traçar um plano B. Quando percebeu que o cenário onde atuava começou a mudar, ela tirou o projeto do blog da gaveta (que também era uma paixão) e caminhou em paralelo com o trabalho na universidade. Quando a demissão aconteceu, foi possível dar andamento a algo que já existia.

Mônaco

– E qual é a sua nova atividade? Atualmente sou proprietária de uma agência de comunicação chamada Way Content, focada em turismo, gastronomia e estilo de vida. Cuido de todas as etapas de comunicação, desde assessoria de imprensa até criação de press trips e atividades com influenciadores digitais. Além disso, atuo como influenciadora digital na área de viagens com meu canal @travelterapia (que está no Instagram, blog, Facebook, etc).

– Esta é sua primeira transição de carreiras? É a segunda transição de carreira que faço. A primeira ocorreu em 2011. Eu estava com 12 anos de empresa (trabalhava na redação do maior jornal do Rio Grande do Sul) e estava muito infeliz financeiramente e profissionalmente. Na mesma época eu já estava dando aula de Jornalismo na universidade, tinha um mestrado e estava quase terminando meu doutorado. Fiz as contas e percebi que era melhor apenas dar aula e fazer alguns trabalhos como freelancer para ter um rendimento melhor que a redação estava me pagando. Além disso, não trabalharia mais nos finais de semana e feriados. Fiz uma viagem ao Peru e, em Machu Picchu, decidi que não voltaria mais para a redação. Pedi demissão. Foi libertador (e numa época que a economia estava a mil e o dólar lá embaixo!). Aproveitei muito e viajei muito também.

Algarve, Portugal

– Você fez algum tipo de planejamento para realizar esta mudança atual? Sim. Quando a marca Travelterapia entrou no mercado, a agência de comunicação Way Content já estava no business plan. Precisei segurar o lançamento da agência porque trabalhava muito na universidade. Naquele momento, era mais fácil iniciar o Travelterapia antes da agência. Foi uma ótima escolha, porque quando a agência começou de fato, já tinha projetos e clientes. 

– Como você define seu trabalho atualmente? Sou empresária, influenciadora digital, mãe e dona de casa nas horas vagas.

– Se pudesse dar algum conselho para quem quer fazer uma transição de carreira, qual seria? Pesquise muito, faça um plano de negócios e não tenha medo. Saiba que não existe o momento ideal para iniciar: o importante é ter coragem para começar. Também é importante ter reservas financeiras para os primeiros meses ou anos. Nem sempre conseguiremos retorno imediato.

– Você é mais feliz/realizada com essa mudança? Com certeza. As mudanças nos transformam e aprendemos muito com elas. Nem sempre são só momentos de felicidade. Mudar é aceitar que o modelo do passado não funciona mais. Às vezes dói, mas o resultado é sempre positivo.

– Você se arrepende? Jamais!!

– Se precisasse mudar, faria tudo de novo? Com certeza. Acredito muito na minha carreira e nas coisas que já construí, então faria tudo de novo.

Ilha do Sal, Cabo Verde

Onde você pode encontrar a Anelise:
E-mail: ane@waycontent.com
Instagram: @anezanoni 

Travelterapia: @travelterapia
Site: http://www.travelterapia.com.br

Agência Way Content: @waycontent

Clique aqui para ler todas as entrevistas sobre transição de carreiras e carreiras múltiplas.